Ser vegetariano é saudável: Uma forma humana, saudável e rica de alimentação




Um vegetariano escolheu este caminho por vários motivos.

Ser vegetariano é saudável e é mais que um estilo de vida, trata-se de uma escolha feita por aqueles que tomam consciência do que se passa nos matadouros ou laboratórios, onde os animais têm um futuro pré definido, sem hipótese de escolherem. Contudo, outra das razões que levam as pessoas a aderirem a este estilo de vida é a saúde, que acaba por ter repercussões positivas nos seus quotidianos.

Após a tomada de decisão é necessário ter em conta de que forma combinar os alimentos, para que se consiga ter uma dieta realmente saudável, onde estejam inseridos todos os nutrientes necessários para que não haja problemas futuros de insuficiências, habitualmente de ferro ou de vitamina B12.

Como foi tornar-me vegetariana:

Há dois anos tornei me vegan, após assistir ao documentário “Earthlings”, que fez-me questionar acerca da falta de humanidade presente na sociedade de hoje. Ao ver o sofrimento causado aos animais, só para que seja possível alimentar a sociedade inteira, como se essa fosse a única hipótese de alimentação.

O que me leva a pensar na falta de ética e compaixão pelos outros seres vivos. E nós, como animais racionais, deveríamos ter consciência do que se passa a nossa volta e agir de modo a não nos posicionarmos indiferentes a tal. Por isto decidi não compactuar com a escravidão animal que acontece diariamente e em massa.

Contudo, um ano depois, adoptei apenas pelo vegetarianismo devido às dificuldades em encontrar locais onde oferecessem pratos veganos, assim optei por uma dieta ovo-lacto, que inclui lacticínios e ovos.

Para se ser vegetariano é preciso ter-se consciência:

Para obter uma dieta vegetariana equilibrada é necessário que haja controlo sob os nutrientes e proteínas que são colocados nas refeições. É importante fazer uma divisão num prato vegetariano, pois este deve conter a parte das proteínas (feijões, seitan, tofu, tempeh, soja, cogumelos), as verduras que é importante para a absorção de ferro (espinafres, brócolos, couves, feijão-verde) e por fim os hidratos de carbono (arroz ou massa). Juntamente com a ingestão de fruta, bem como sementes e frutos secos, que são fundamentais para uma dieta sólida.

Sendo de relevar que alguns assuntos falados na internet como ser típico de uma vegetariana ter um sistema imunitário mais fraco, acaba por ser um mito. Visto que é mais propício para as pessoas que consomem carne desenvolveram doenças crónicas, especialmente intestinais, devido à difícil digestão da carne que demora mais de três horas.

Em contra ponto as leguminosas e frutas, em média, levam cerca de uma hora a serem digeridas. Assim, produzindo um melhor funcionamento do sistema digestivo.

Por isso, quando alguém decide tornar-se vegetariano é importante que veja as vantagens da mesma e a melhor forma de se alimentar, para que não haja complicações.

Apesar de ser algo raro de acontecer, devido ao conhecimento que tenho de vários casos e de pesquisas extensas sobre o assunto, a não ser que a pessoa seja totalmente descuidada quanto à sua alimentação, comendo apenas saladas e passando longas horas sem se alimentar, a alimentação vegetariana é mais saudável que a alimentação não vegetariana e menos perigosa para o meio ambiente que todos estamos envolvidos.

 Em caso de dúvida consulte o seu médico:

Caso não se consiga orientar pelos artigos à disposição na internet será melhor consultar um nutricionista que vos indicará uma dieta específica, apesar de não ter sido necessário para mim. Contudo é importante que se seja saudável, mas com consciência.

Ao ser vegetariana sinto-me saudável com consciência, pois sei que não estou a sacrificar nenhum ser vivo.

Ser vegetariano é uma escolha.